sábado, 22 de abril de 2017

PLS 288, a nova lei de migração foi aprovada no Senado. Agora o que devemos fazer?




Foi aprovado na Câmara e no Senado o PLS 288/2013, a nova lei de migração que rapidamente trará o fim da soberania nacional e instalará o caos no país. Todos nós devemos agora lutar pela revogação imediata desta nefasta lei e informar aos brasileiros sobre os riscos que cada um está correndo com a entrada desta nova legislação em vigor.

A Lei do Caos foi criada pelo Senador Aloysio Nunes do PSDB partido do Dória provável candidato tucano na próxima corrida presidencial. Temos portanto a partir de agora uma prova irrefutável que insistir na formula PT, PMDB e PSDB é manter o Brasil sobre o julgo dos comunistas, do mundo islâmico e dos globalistas. 

Por nossa pátria, por nossa soberania, por nossas famílias e pelos valores judaicos cristãos que estabeleceram a civilização ocidental.

PSL 288 Não Aceitaremos!!!


sexta-feira, 21 de abril de 2017

PLS 288/2013 Lei do caos aprovada no Senado segue para sanção presidencial


Somente 4 senadores não aceitaram destruir a soberania brasileira:  José Medeiros, Lasier Martins, Romário e Ronaldo Caiado todos os demais contribuíram com o fim do Brasil e a morte de milhares de brasileiros através do sim ou da ausência na votação da lei do caos.

Resultado completo da Votação (Clique Aqui!)


DEPUTADOS FEDERAIS E SENADORES DECRETAM O FIM DE NOSSA SOBERANIA E A MORTE DE MILHARES DE BRASILEIROS ATRAVÉS DO CAOS QUE A NOVA LEI DE MIGRAÇÃO TRARÁ AO PAÍS.  

O Brasil tem o pior sistema de saúde do mundo, um dos piores sistemas de educação, sessenta mil homicídios por ano, quatorze milhões de desempregados, oitenta por cento de estradas sem pavimentação e treze mil escolas públicas sem energia elétrica. Foi diante deste senário social catastrófico que o Senado aprovou no dia dezoito de abril o PLS 288/213 a nova Lei de Migração que torna qualquer cidadão do Planeta Terra possuidor de praticamente todos os direitos dos brasileiros, a saber: Direito ao voto, abertura de conta bancária, formação de sindicados, acesso ao sistema público previdenciário, sistema único de saúde, educação estatal, dentre outros inúmeros direitos, sendo muito deles superiores ao dos próprios brasileiros. Em nenhuma nação do mundo os brasileiros têm estes direitos, mas aqui graças a esta lei hedionda qualquer um que atravesse nossas fronteiras irão usufruir de todos os recursos públicos do Estado que sustentamos com nossos impostos.

Não é necessário empreender nenhum esforço mental para compreender que antes dos Deputados e Senadores abrirem nossas fronteiras para o mundo já tínhamos um quadro social caótico. Agora com a nova lei de migração através da chegada de milhares de estrangeiros rapidamente o país entrará no tão almejado caos social planejado meticulosamente pelos psicopatas sociais, marxistas e fabianistas. Os imigrantes irão implodir os já combalidos sistemas de saúde, educação, segurança e previdência. O Estado entrará rapidamente em desligamento a violência e toda espécie de criminalidade tomara as ruas de norte a sul do país.  

Marcos Feliciano repúdio a lei da migração!

Você que trabalhou e trabalha a anos pagando uma das maiores cargas tributárias do mundo agora verá sua pátria invadida e arruinada por milhares de imigrantes que destruirão nosso país assim como estão desmantelando os países da Europa. Os globalistas e a Nova Ordem Mundial venceram mais uma batalha pela aniquilação de nossa soberania. O fim do Brasil foi decretado através da aprovação do PLS 288/2013 de autoria do Senador Aloysio Nunes Ferreira PSDB / SP.


Aloysio Nunes iniciou sua carreira política como guerrilheiro integrante da Ação Libertadora Nacional (ALN) organização terrorista de Carlos Marighella na luta contra o Governo Militar.  O guerrilheiro cuja alcunha era Mateus, encerra sua carreira de globalista e marxista com chave de ouro entregando o país a toda espécie de contrabandistas, narcotraficantes e terroristas que agora terão cartão verde liberado para entrar em nossa pátria graças a sua nefasta lei de migração. 



Não iremos aceitar, vamos a partir de agora conscientizar cada brasileiro dos riscos que eles estão correndo com a aprovação da nova lei de migração e escancarar a todos que o PSDB o partido de João Dória Jr. entregou nossa soberania de mãos beijadas para os globalistas, ONU e a Nova Ordem Mundial através do PLS 280/2013.


Michel, Blog Fora da Matrix 1 

Saiba mais













domingo, 16 de abril de 2017

Olavo de Carvalho: É proibido parar de mentir (Junho 2008) | Método para analisar políticos



Seja em ciência política, seja no mero comentário jornalístico, a análise de um candidato a qualquer cargo eletivo, para ter o mínimo de confiabilidade, tem de abranger os seguintes aspectos e suas interrelações:

1. Sua imagem publicitária,  o "personagem" criado pela sua campanha, o qual pode coincidir em mais ou em menos com a sua personalidade real.

2. Seu programa de governo ou plano de ação, considerado na sua pura lógica interna.


3. A comparação entre esse plano e a situação externa objetiva que ele promete alterar ou corrigir.

4. As correntes de pensamento atuais ou pretéritas que, de maneira mais próxima ou mais remota, se refletem nesse plano.

5. Os grupos políticos, econômicos e culturais que apóiam o candidato de maneira ostensiva ou discreta.

6. A posição real do candidato ante esses grupos, seja como seu líder efetivo, como seu parceiro permanente ou temporário ou como seu agente e serviçal.

7. As alternativas reais ou possíveis contra as quais sua candidatura se opõe de maneira explícita ou velada.

Só quando esses sete fatores estão esclarecidos você pode ter uma certeza razoável de que conhece o candidato e sabe a que ele veio. É essa a condição sine qua non do alardeado "voto consciente". E não é preciso dizer que essa condição depende, fundamentalmente, dos "formadores de opinião" – dos intelectuais públicos e da mídia.

Pois bem: em duas eleições sucessivas o brasileiro votou em Lula sem ter a menor idéia de que ele era o fundador e presidente da maior organização revolucionária que já existiu na América Latina. Faltaram por completo, na imagem pública do candidato, os itens 5, 6 e 7 da lista. Essas informações foram propositadamente, sistematicamente sonegadas ao eleitor pela propaganda partidária e por toda a "grande mídia", com a cumplicidade passiva da pretensa Justiça Eleitoral.

Essas duas eleições foram ilegais no mais estrito sentido da palavra. Não atenderam às condições mínimas de informação fidedigna que o público precisa para escolher uma marca de automóvel, uma geladeira ou um remédio para hemorróidas. Todos os proprietários de jornais, revistas e canais de TV sabiam disso perfeitamente. A Justiça Eleitoral sabia disso. As Forças Armadas sabiam disso. A cumplicidade geral deu ao crime ares de legitimidade, marcando a ruptura definitiva entre o debate público e a realidade da vida nacional e gerando a atmosfera de alienação e loucura da qual a corrupção e a violência, em doses jamais vistas no mundo, são apenas o sintoma mais visível e escandaloso.

Jamais, na história de qualquer nação, a elite falante, por amor e temor a um grupo político ambicioso e cínico, traiu e ludibriou tão completamente um povo.

Não é de estranhar que, decorridos alguns anos, o hábito da trapaça consciente e fria tenha se impregnado tão profundamente na moral dessa elite que até mesmo ao falar de outros países ela tenha de mentir compulsivamente – e mentir no preciso sentido que interessa ao grupo dominante. Só para dar um exemplo, a cobertura jornalística da candidatura Barack Obama na mídia brasileira limita-se estritamente a vender ao público a sua imagem publicitária -- item 1 da nossa lista --, sem chegar a tocar nem mesmo no seu programa de governo. Ela mente em favor de Obama ainda mais espetacularmente do que mentiu em favor de Lula. Nenhum jornal ou canal de TV brasileiro jamais informou que Obama é um apóstolo da "Media Reform" calculada para eliminar a liberdade de opinião no rádio, um defensor ardente da proibição total de armas de fogo pela população civil (na mesma linha que Hitler adotou na Alemanha), um partidário fervoroso do imediato desmantelamento das defesas americanas anti-míssil (portanto da rendição incondicional ante qualquer poder nuclear estrangeiro). Ninguém jamais informou que ele votou contra a proibição de matar bebês que sobrevivam ao aborto e que ele é um discípulo da "teologia da libertação" na sua versão mais radical e extremada. Ninguém informou que os grupos que o apóiam são círculos bilionários globalistas aos quais ele serve como agente para a destruição da soberania americana e a imediata implantação de um governo mundial pelos meios mais antidemocráticos que se pode imaginar. E ninguém informou que sua maior vantagem ante o concorrente republicano reside precisamente na superioridade dos seus fundos de campanha (400 milhões de dólares contra 85), o que já basta para mostrar que Obama não é de maneira alguma o candidato dos pobres e oprimidos.

Contra todas essas informações essenciais, a mídia brasileira martela e remartela a imagem publicitária baseada exclusivamente na cor da pele. Se Obama fosse candidato a presidente do Brasil, teria a maior votação da nossa história. 

Olavo de Carvalho